No tempo certo

Uma dúvida recorrente das minhas leitoras e de outras noivas com quem falo é quanto ao cronograma da preparação do casamento. Esse, como quase todos os itens do casamento tem muitas variáveis. Imagine a diferença que existe entre uma noiva que faz seu casamento numa cidadezinha do interior e de outra que o realizará na cidade de São Paulo!

Vamos tentar visualizar os cenários. A noiva que mora em uma cidade pequena, no interior de São Paulo, por exemplo, marcará seu casamento com seis meses de antecedência, tempo mais que suficiente para checar todos os preços e formas de pagamento dos fornecedores, já que conhece o serviço de cada profissional, pelo casamento de amigas e por outras festas. Depois é só verificar a disponibilidade do bufê, do salão e, se esse já estiver ocupado, optar pelo clube ou por um sítio. Decidir se prefere de dia ou à noite, fazer a lista de convidados e escolher o cardápio são os próximos passos. Aliás, fazer a lista de convidados é meio modo de dizer, porque se a tia ou os primos do convidado estiverem na casa dele na data, é lógico que ele não fará a “desfeita” de não levá-los também.

O padre, o mesmo que a batizou, concordará em marcar a data, embora ache ainda prematuro. E lembrará que, como ela sabe, terá de ser até às 18 horas, para não invadir o horário da missa. Sem atraso, portanto!

Ela vai então procurar aquela costureira que faz muito bem vestidos finos, inclusive de noiva e escolherá seu modelo “igual” ao da artista que saiu na Caras, ou ao anúncio de alguma grande loja de São Paulo. E exigirá da costureira que não diga a ninguém qual é seu modelo ou faça para outra algo parecido – pelo menos não antes do seu casamento e até um ano depois!

Na igreja, o órgão, na festa um DJ das horas vagas, já que, como profissão é bancário.

O fotógrafo é o mesmo que tem a loja na praça, tira fotos 3×4 e também revela e vende filmes pra quem ainda não tem câmera digital.

Mãe, irmãs, tias e amigas ajudam no que for preciso.

As flores serão as da época, nas cores disponíveis. Os padrinhos irão, contrariados, de terno. Em geral um pouco justos, já que, no próprio casamento, o dono estava bem mais magro. Os convidados se limitarão à calça social e camisa. Em compensação as mulheres – e principalmente as madrinhas – vão super arrumadas, cuidando para não repetir cores ou modelos, fazendo segredo e se preocupando até com sua posição no altar para definir de qual lado vai estar mais enfeitado o cabelo.

O que se pode prever é que haverá fartura na festa. Fartura de massas, fartura de carnes, fartura de bebidas e, principalmente, fartura de doces, porque duas ou três doceiras estarão mostrando o que sabem fazer de melhor.

Não, não são comentários pejorativos: amo as pequenas cidades e sou caipira graças a Deus! Apenas constato que os valores são outros, os costumes são diferentes dos de São Paulo. Claro que estou falando de casamentos típicos, pois se a filha de um rico fazendeiro ou usineiro vai se casar, serão outros os parâmetros, com quase tudo (e quase todos) “importado”.

E em São Paulo, com mais de 50.000 casamentos por ano, 25% dos casamentos do Estado e mais de 6% dos de todo o Brasil, como funcionam as coisas? Tudo é diferente e existe uma “indústria” florescente de casamentos. Tudo na cidade de São Paulo é macro. São mais de 300 as paróquias! E somem-se a elas as igrejas e templos de todos os outros credos… Além disso, há um alto número de casamentos que são celebrados em bufês.

Com tanta oferta, seria de se esperar que as noivas não tivessem tanta pressa, tanto stress na hora das escolhas. Acontece que aqui também vale a lei da oferta e da procura e as noivas se acotovelam na porta das igrejas mais concorridas e nos escritórios dos profissionais mais conceituados. Isso porque, se antigamente os casamentos se espalhavam ao longo da semana e os mais chiques eram realizados às quintas e segundas-feiras, hoje eles ocorrem quase que exclusivamente aos sábados. Impensável, nos dias de hoje, que as convidadas digam a seus chefes que precisam sair mais cedo para se arrumar para o casamento da amiga! Além disso, deve-se pensar no trânsito, durante a semana, sempre congestionado, impedindo que as pessoas se locomovam rapidamente.

As igrejas e bufês mais procurados fecham suas datas um ano, um ano e meio antes dos eventos. Por isso, se você conheceu um garoto legal ontem, já está na hora de fazer os primeiros contatos! Ou quase isso… Porque não se criou ainda nenhuma fórmula para aumentar os sábados no ano.

Pelo mesmo motivo, decorador, banda, coral e fotógrafo têm disponibilidade limitada e devem ser procurados também com muita antecedência.

E o vestido de noiva, onde entra nesse cronograma? Por ser um item tão importante e só seu, a noiva aguarda impaciente por ele. A ponto de termos de “segurá-la” para que ela não venha escolhê-lo com dois anos de antecedência! Afinal, temos uma estrutura que nos permite realizar, até o vestido mais elaborado, em bem menos tempo.

Entretanto que não se peque pelo atraso: escolher e encomendar o vestido de noiva com antecedência é muito importante. Primeiro para que ela se sinta tranqüila, já que é um item todo especial e só seu; depois, para que possa programar as provas com tempo (que é o que mais lhe falta!) e finalmente para planejar o pagamento de um item que representa um percentual importante nas despesas do casamento.

Depois vêm os convites, (muitas vezes postados, porque a casa dos parentes e amigos é longe), a encomenda dos doces, do bolo, a escolha do carro, do dia da noiva, das lembrancinhas… Tudo com prazos definidos, ou contando com alguma desistência se ficarem pra última hora. E sem ajuda de mãe, irmã, madrinha, todas elas também no mercado de trabalho.

Por tudo isso, é difícil fazer um cronograma geral, válido pra todas! O que se pode fazer é o cronograma personalizado pra uma noiva, pra um casamento.

E vejam que eu nem falei  das noivas “originais” que invertem tudo e que começam a programação pelo dia da noiva e pelo bem-casado!

Numa grande metrópole ou numa vilazinha, a preparação de um casamento sempre gera expectativa, ansiedade. Aqui ou lá, havendo maior ou menor desgaste, o importante é o produto final, o casamento. Que ele seja o mais bonito, o mais emocionante! Que ele seja inesquecível e, principalmente, que seja apenas o primeiro capítulo de uma linda história de vida.

PS: se, depois de ler todo esse artigo, você ainda quiser uma sugestão de cronograma visite o site www.novanoiva.com.br . “Agende seus compromissos”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Élide Helzel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s